Definir um objectivo

Em breve perceberá que o trabalho do genealogista é exponencial e pode ir em todas as direcções.

Por isso, terá de estabelecer limites a si próprio se quiser fazer um trabalho de qualidade.

Os seguintes pontos são apenas exemplos de escolhas a fazer para delimitar um perímetro de investigação que pode ser alcançado numa vida inteira.

Genealogia de quem?

Defina para quem será desenvolvida a genealogia:

  • a sua;
  • a da sua esposa;
  • a da sua família, a começar pelos seus filhos ou netos;
  • a de um parente próximo;
  • a de um amigo.

Quantas gerações para trás?

Defina o número de gerações a identificar :

  • até aos bisavós;
  • até à constituição da República;
  • até à fundação de Portugal.

Que ramos?

Defina os ramos a identificar:

  • todos;
  • apenas linhagem agnática, patrilinear;
  • linhagem cognática, matrilinear.

Quais descendentes?

Defina de quais antepassados deseja identificar descendentes e primos :

  • a partir do antepassado mais antigo encontrado;
  • a partir dos bisavós;
  • de todos os antepassados.

Com que nível de detalhe?

Defina o nível de detalhe a obter para cada indivíduo:

  • de acordo com a sua geração;
  • ter sistematicamente as fontes de todos os actos;
  • apenas nascimentos, casamentos e óbitos;
  • o máximo de eventos que conseguir descobrir.